Muitas vezes a cavidade bucal pode apresentar variações de forma, cor ou consistência que não significam necessariamente alguma anormalidade patológica.
Quando o paciente se machuca com algum alimento ou mesmo na escovação, pode se assustar ao fazer o auto exame e no caso de encontrar algum aspecto diferente chega até a pensar em provável doença.
Para evitar sofrimentos desnecessários, o melhor é procurar seu dentista afim de eliminar duvidas, pois muitos casos não apresentam caráter patológico e quando apresentam são passiveis de tratamento.

Apresentaremos a seguir as variações de normalidade mais freqüentes na cavidade bucal.

Glossite Rombóide Mediana

Existem controvérsias sobre sua etiologia, alguns autores a consideram como sendo uma anomalia congênita resultante da não fusão das metades laterais da lingua, outros acreditam que sua etiologia esteja relacionada com uma infecção crônica causada pela candida albicans. Não tem predileção por sexo ou raça, estando presente em aproximadamente 3,35% da população.

Clinicamente apresenta-se como uma zona avermelhada, despapilada, de forma rombóide ou oval, localizada na linha média do dorso lingual, imediatamente à frente das papilas valadas.
Não há necessidade de tratamento para a glossite rombóide mediana.
Grânulos de Fordyce

Os Grânulos de Fordyce ocorrem em quase 70% da população e ocorrem devido à deposição de glândulas sebáceas ectópicas.
Clinicamente apresentam-se como pápulas de coloração amarelada e de pequeno diâmetro (1mm, aproximadamente). Os grânulos apresentam-se distribuídos principalmente em mucosa jugal, e mucosa labial inferior podendo ser encontrados em grande ou pequena quantidade. Há um aumento significativo da prevalência dos grânulos de fordyce com a idade.

O diagnóstico é clínico e não há necessidade de tratamento.

Leucoedema

Até o momento ainda não foi estabelecida a causa ou etiologia do leucoedema, que ocorre em cerca de 70% da população negra. Parece ser uma anomalia de desenvolvimento. Geralmente é um achado acidental, assintomático, de distribuição simétrica e encontrado na mucosa jugal. Apresenta-se como um área esbranquiçada ou leitosa. Nos casos mais acentuados pode-se notar uma alteração de textura da superfície.
Um elemento clínico extremamente importante no diagnóstico do leucoedema é o fato de que ao se distender a mucosa jugal, a lesão desaparece, retornando quando deixamos de exercer a tração. O leucoedema não tem significado patológico e por isto não requer tratamento.

Língua Fissurada

É a anomalia congênita mais prevalente na cavidade bucal estando presente em quase 6,0% da população.
Acomete a porção dorsal da língua e caracteriza-se clinicamente por fissuras ou sulcos. Os sulcos são geralmente simétricos e originados de uma fissura maior na porção mediana da língua.

Pelo caráter hereditário, é muito comum outro membro da família apresentar um quadro semelhante. Logo, a anamnese constitui um dos principais métodos para a condução do diagnóstico final.

Devido à descontinuidade tecidual, as áreas acometidas apresentam-se mais vulneráveis, logo, o contato com substâncias ácidas pode desencadear sensação dolorosa, assim, a melhor conduta é aconselhar o portador a diminuir o consumo de tais substâncias. Não existe tratamento especifico para a língua fissurada, mas deve se orientar o paciente a promover higienização através de escovação e bochechos.

Língua Geográfica ou Glossite Migratória Benigna ou Eritema Benigno

É uma alteração de etiologia desconhecida, embora acredita-se que possa estar relacionada ao stress ou distúrbios psicogênicos. Possui predileção por crianças e adultos jovens, sendo ligeiramente mais frequente nas mulheres que nos homens. Clinicamente apresentam-se como múltiplas áreas planas avermelhadas com despapilação das papilas filiformes, formando figuras circunvalares. São delimitadas por uma linha branca ou branca-amarelada de bordas bem definidas. Caracteristicamente ocorre uma repapilação das áreas despapiladas e uma despapilação de áreas anteriormente normais. Esse fenômeno de despapilação-repapilação dá um aspecto de “mapa” sendo por isso denominada de língua geográfica.

Em alguns casos, os pacientes podem relatar irritação ou sensibilidade relacionadas ao consumo de alimentos cítricos ou condimentados e bebidas alcoólicas.
 Devido a condição benigna não é necessário tratamento. Nos casos onde haja excessiva sintomatologia dolorosa, a administração de anti-inflamatórios esteróides de uso tópico pode levar a uma melhoria do quadro.
Pigmentação Melânica Racial ou Pigmentação Melânica Fisiológica ou Melanoplaquia

A pigmentação racial melânica é uma alteração de cor encontrada com maior prevalência em indivíduos da raça negra, mas pode acometer outras raças com a amarela (orientais) e indivíduos turcos e espanhóis.
É caracterizada clinicamente como uma mancha enegrecida na mucosa bucal, sendo geralmente simétrica e com limites bem definidos. A região anatômica com maior prevalência é a gengiva inserida, contudo, essa alteração pode ocorrer em qualquer região de mucosa da cavidade bucal como lábio, língua, palato, etc..

O diagnóstico é clínico e não há necessidade de tratamento, em alguns pacientes, por razões estéticas pode ser realizada sua remoção.

Toros e Exostoses

Os toros e exostoses são protuberâncias localizadas na maxila e/ou na mandíbula. Na maxila é evidenciada na linha mediana do palato, sendo que nessa região recebe o nome de toros palatinos. Esse tipo de toro é mais frequente no sexo feminino.

A segunda localização mais comum é na mandíbula, onde situa-se na face lingual da região de pré-molares e molares, sendo denominado nessa localização de toros mandibulares, afetando ambos os sexos igualmente.
Clinicamente se caracterizam por massa óssea revestida por mucosa normal.
As exostoses são excrecências ósseas múltiplas que ocorrem mais raramente que os toros. São nódulos ósseos assintomáticos, que estão presentes ao longo da face vestibular do osso alveolar. Essas alterações são notadas com maior frequência nas porções posteriores da maxila e mandíbula.
O tratamento dos toros e exostoses é desnecessário, a menos que seja exigido por questões protéticas ou tramas freqüentes à mucosa suprajacente.
Varicosidades Linguais ou Variculosidades Linguais

Constituem uma condição comum em indivíduos com mais de 60 anos de idade. Clinicamente, observam-se vasos de pequeno e médio calibre, de coloração azul violácea, múltiplos, sendo que a presença de vasos isolados é uma condição rara, podendo estar distribuídos pela mucosa bucal, mas muito mais frequentes em assoalho bucal e ventre lingual. Não apresentam qualquer sintoma e geralmente são achados ocasionais em exames de rotina.
O diagnóstico é clínico, devendo ser considerados idade do paciente, manifestações sistêmicas e varicosidades em outras regiões do corpo como, por exemplo, a presença de varizes nos membros inferiores.

Não ha necessidade de tratamento.